Site Loader
Webmail

Novas formas de utilização dos espaços prometem aquecer o mercado imobiliário nos próximos anos.

Entre estas tendências está o self storage, atividade que garante a locação de boxes individuais para o armazenamento de documentos e bens de pessoas físicas e empresas..

Para tantos perfis de consumidores, a oferta também precisa ser diversificada. O tamanho dos boxes é flexível, podendo ser desde o espaço para guardar uma caixa com documentos até grandes volumes. Os valores do aluguel são a partir de R$ 40. Esta flexibilidade é um grande atrativo do negócio, pois o empreendedor que está começando, por exemplo, pode alugar um box menor e aumentar o espaço conforme sentir necessidade.

O modelo de self storage tem grandes chances de crescimento diante da realidade do mercado imobiliário no país. Temos imóveis menores e famílias precisando de mais espaço. Os custos da área comercial também estão muito elevados, o que propicia os empresários buscarem alternativas mais econômicas.

De objetos de família a estoque de empresa

O self storage, que mantém forte expressividade nos Estados Unidos há muitas décadas, surgiu no país nos anos 1990, mas só agora desponta como um nicho de mercado com grande potencial a ser explorado. Dentre os motivos para este “despertar tardio” estão a aposta do setor imobiliário na construção de imóveis compactos, o que faz com que famílias precisem de um espaço extra para guardar pertences; a busca de pequenos empresários por menores custos, de modo que eles preferem recorrer ao aluguel do box, em vez de uma loja física maior, para depósito de estoque.

Atividade imobiliária

Desde 2013, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) classifica o self storage como atividade imobiliária, baseado na Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE 6810-2) que enquadra o negócio na subclasse de aluguel de imóveis próprios.

Em abril deste ano, o Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP) promoveu evento sobre o uso de espaços de forma eficiente, e apontou o crescimento da atividade como uma das principais tendências do mercado imobiliário. Atualmente, há cerca de cem galpões que oferecem boxes para locação no país, conforme dados da Associação Brasileira de Self Storage (Asbrass).

Como funciona o self storage

A Associação Brasileira de Self Storage (Asbrass) explica que os galpões das empresas de self storage oferecem boxes individuais de variados tamanhos, conforme a necessidade do cliente. A contratação é feita no molde de contrato atípico para locação de espaço, o que difere do enquadramento de prestação de serviços ou locação tradicional, regida pela Lei de Locações.

Não há exigência de fiador ou cobrança de taxas adicionais, como IPTU, condomínio ou despesas como água e energia. O contrato é mensal e não exige tempo mínimo de permanência. A renovação é automática, e a rescisão ocorre a partir da comunicação ao locador. No documento deve ser inserido o seguro dos bens.

A Abrass alerta que o transporte dos pertences para o box é de responsabilidade do cliente, assim como, o armazenamento. Feito isto, será entregue uma chave para que apenas o locatário e pessoas autorizadas por ele tenham acesso ao espaço. Os galpões são monitorados por câmeras.

Segurança

O diretor de self storage do Secovi-SP e presidente da Asbrass, Flávio Del Soldato Júnior, destaca a segurança deste tipo de negócio. “É uma solução que pode ser usada por pessoas que vão morar fora da cidade por algum tempo e querem alugar seu imóvel para geração de renda, mas querem deixar seus objetos assegurados enquanto estiverem fora”, exemplifica. “Enquanto no storage os contratos são mensais, com renovações automáticas caso não haja desistência, nos de aluguel de imóveis residenciais há um prazo maior, multa rescisória e taxas.”

Post Author: Gilberto Britto

Mais de 25 anos de experiência no mercado imobiliário, corretor, Avaliador e Perito Forense Imobiliário e Ambiental, Imortal e Embaixador da Academia de Letras do Brasil, Bacharel em Ciência da Computação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Pós-Graduado em Análise de Negócios e da Informação pelo Instituto de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Mestre em Filosofia e Literária e Doutor em Filosofia e Psicologia pela Emill Brunner University e Association American World Universities and Colleges – AAWUC, Técnico em Transações Imobiliárias (TTI) pelo Instituto Arnaldo Prieto do Rio de Janeiro, Avaliador e Perito Imobiliário e Ambiental pela Unimóveis de Minas Gerais, Certified International Property Specialist pela National Association of Realtors, Personal & Professional Coaching e Certified Executive Coaching pela Sociedade Brasileira de Coaching, Professional Coaching Practitioner pela ABRACOACHING, Assessment Alfa pela Worth Ethic Corporation, sólida carreira marcada em empresas de porte, palestrante, coach. Atualmente é Diretor do Grupo Britto, Conselheiro e Membro da Comissão de Ética e Fiscalização Profissional do CRECI/MG, Consultor e Professor em instituições de ensino superior, Agente de Propriedade Industrial do INPI, Membro e Professor da CMI/SECOVI-MG e SINDUSCON-MG, Membro do Comitê Brasileiro e Organismo de Normalização Setorial da ABNT (Construção Civil, Informação e Documentação), Membro da International Coach Federation. Foi agraciado pelo Centro Nacional de Formação Superior Ibero-Americano e pela Academia de Letras do Brasil com o Grau Honorífico de Catedrático em Avaliação e Perícia de Imóveis e também Tópicos Especiais de Engenharia. O Business Model o agraciou com a premiação de Pioneirismo no Uso da Informática. Ministra cursos nas áreas de gestão empresarial, engenharia, avaliação e perícia imobiliária e ambiental, real estate e coaching.