Site Loader
EnglishPortugueseSpanish

Transformar ideias em negócios eficientes é realmente algo bastante desafiador e inspirador. As escolas cobram dos alunos que se tornem profissionais de destaque e criem empresas de sucesso, mas nem sempre priorizam a educação empreendedora.

O conceito está relacionado a uma ideia inovadora no mercado de ensino, que se propõe a estimular o desenvolvimento de habilidades que são comuns ao empreendedor. Na verdade, é como enxergar que empreender é um processo constante de aprendizagem.

Qual é a importância de trazer esse tema?

A relevância de trazer o assunto à tona é que essa prática ainda não é muito difundida, principalmente no cenário da educação brasileira. Como o intuito de uma escola é formar cidadãos, nada melhor do que fazer isso de uma forma mais completa, já que o modelo tradicional de ensino foca muito mais na grade curricular básica.

Embora tudo isso seja importante, hoje a formação das pessoas deve ser mais abrangente e multidisciplinar. Pode até ser que o jovem não queira abrir o seu próprio negócio no futuro, mas pensar como um empreendedor faz toda a diferença na sua vida profissional. Fazem parte disso características como:

  • ser otimista;
  • estar disposto a correr riscos;
  • saber lidar com imprevistos;
  • conseguir tirar suas ideias do papel;
  • buscar oportunidades;
  • resolver problemas;
  • liderar outras pessoas;
  • ser flexível;
  • ter determinação.

Quais são as vantagens?

Há diversos benefícios envolvidos na decisão de trazer a educação empreendedora para dentro da sala de aula. A principal delas é contribuir para a formação de pessoas que saibam pensar e agir de forma diferente, sem tantas limitações. Se o ritual das aulas é sempre o mesmo, é complicado exigir muito dos alunos.

Isso precisa ser trabalhado para que eles consigam expandir suas mentes e capacidades. Outra vantagem notável é a melhora da comunicação. Como os alunos são incitados a observar mais as coisas à sua volta, eles passam a entender melhor como elas funcionam e como devem se posicionar diante delas.

Como implementar a educação empreendedora?

O importante é trazer essa realidade empreendedora para o mundo do aluno, deixando de ser um conceito distante. Quando a escola tem essa preocupação, ela cria atividades que são capazes de favorecer o desenvolvimento desse tipo de mentalidade.

O ideal é preparar o corpo docente e utilizar os recursos tecnológicos para diversificar as atividades dentro da sala de aula, atraindo a atenção e o interesse dos alunos. A partir disso, é preciso “brincar” com as possibilidades e sugerir missões diferentes. Veja algumas ideias:

  • propor que cada grupo monte um plano de negócios de um aplicativo que eles sentem falta no mercado;
  • instigar a turma a desenvolver um projeto de game por meio de ferramentas, como o canvas;
  • incentivar a busca por feedbacks sobre suas ideias para identificar e corrigir falhas;
  • fazer com que apresentem suas ideias para uma banca de empresas parceiras etc.

Isso não quer dizer que todo esse trabalho precise chegar perto da perfeição. A grande sacada é usar o ambiente acadêmico para ir além do material didático tradicional. Assim, cada um desenvolve seu potencial de criação, ou seja, os alunos passam a ter mais autonomia no processo de aprendizado.

Post Author: Gilberto Britto

Mais de 25 anos de experiência no mercado imobiliário, corretor, administrador, Avaliador e Perito Forense Imobiliário e Ambiental, Imortal e Embaixador da Academia de Letras do Brasil, Bacharel em Ciência da Computação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Pós-Graduado em Análise de Negócios e da Informação pelo Instituto de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Mestre em Filosofia e Literária e Doutor em Filosofia e Psicologia pela Emill Brunner University e Association American World Universities and Colleges – AAWUC, Técnico em Transações Imobiliárias (TTI) pelo Instituto Arnaldo Prieto do Rio de Janeiro, Avaliador e Perito Imobiliário e Ambiental pela Unimóveis de Minas Gerais, Certified International Property Specialist pela National Association of Realtors, Personal & Professional Coaching e Certified Executive Coaching pela Sociedade Brasileira de Coaching, Professional Coaching Practitioner pela ABRACOACHING, Assessment Alfa pela Worth Ethic Corporation, sólida carreira marcada em empresas de porte, palestrante, coach. Atualmente é Diretor do Grupo Britto, Conselheiro e Membro da Comissão de Ética e Fiscalização Profissional do CRECI/MG, Consultor e Professor em instituições de ensino superior, Agente de Propriedade Industrial do INPI, Membro e Professor da CMI/SECOVI-MG e SINDUSCON-MG, Membro do Comitê Brasileiro e Organismo de Normalização Setorial da ABNT (Construção Civil, Informação e Documentação), Membro da International Coach Federation. Foi agraciado pelo Centro Nacional de Formação Superior Ibero-Americano e pela Academia de Letras do Brasil com o Grau Honorífico de Catedrático em Avaliação e Perícia de Imóveis e também Tópicos Especiais de Engenharia. Ministra cursos nas áreas de gestão empresarial, construção civil, engenharia, avaliação e perícia imobiliária e ambiental, real estate e coaching.